Tua História

Jovem com paralisia cerebral considera natação fundamental para realizar sonho na locução esportiva

Aluno do Instituto Superar, Matheus Guilherme, alia esporte ao jornalismo para se tornar um grande narrador

Matheus está mergulhando em uma piscina. Ele veste uma sunga, touca e óculos de natação.

Matheus está mergulhando em uma piscina. Ele veste uma sunga, touca e óculos de natação.

Após passar por seis cirurgias corretivas por conta de uma paralisia cerebral, Matheus Guilherme Oliveira descobriu que a natação seria fundamental para conquistar os seus sonhos. O jovem de 22 anos nasceu prematuro com 31 semanas e lutou ao longo de sua vida com algumas limitações – inclusive uma escoliose de 95°, que foi corrigida em sua última operação. Mas, sem se deixar abater, Matheus considera que o esporte aliado ao conhecimento é o que o ajudará a escalar os degraus para atingir o seu principal objetivo: tornar-se locutor esportivo.

Atualmente no 5º período de Jornalismo no IBMR, Matheus acredita que o curso lhe dará o conhecimento necessário para narrar grandes esportes. O jovem garante que a rádio da universidade e o laboratório de radiojornalismo são suas principais escolas para ter o aprendizado que precisa. Já no Instituto Superar – que ele afirma ter tido um papel essencial em seu ingresso na universidade –, Matheus pratica natação, um outro fator que considera determinante para realizar seu sonho. Além do fortalecimento muscular para todo o seu corpo e o equilíbrio, o esporte é fundamental para trabalhar sua respiração para as grandes narrações que estão em seu futuro.

Matheus está na piscina e recebe auxílio de dois instrututores, que utilizam espaguetes coloridos para retirá-lo da água. Todos vestem sunga e Matheus utiliza touca e óculos de natação.

Matheus está na piscina e recebe auxílio de dois instrututores, que utilizam espaguetes coloridos para retirá-lo da água. Todos vestem sunga e Matheus utiliza touca e óculos de natação.

“Escolhi o jornalismo porque é um sonho de criança. Me apaixonei por locução esportiva aos 12 anos e priorizo a importância da respiração na minha vida, uma ferramenta que tenho graças à natação. Daqui a alguns anos, almejo me tornar locutor esportivo – faço algumas transmissões aqui em casa e gravo, mas nunca cheguei a mostrar isso para ninguém. Esses são os meus projetos e os meus sonhos para minha vida”, relata o estudante.

O sonho está começando a virar realidade: Matheus acaba de iniciar um estágio no canal de TV Fox Sports como assistente de produção. Além da locução esportiva, o jovem acredita que o jornalismo também servirá como uma plataforma de conscientização para que a sociedade possa mudar o seu olhar sobre as pessoas com deficiência. De acordo com o estudante, a real inclusão no mercado de trabalho é um ponto fundamental para proporcionar independência e oportunidades iguais a todos.

Matheus está sorrindo, sentado numa cadeira de rodas na beira da praia. Ele usa boné azul marinho, regata branca, calção azul marinho e óculos de sol.

“Como estudante de jornalismo, quero que existam mais oportunidades para pessoas com deficiência no mercado de trabalho, pois isso é um tópico muito importante. E espero, para o futuro, conseguir realizar o meu sonho e que as pessoas possam nos ver de forma mais igualitária, que percebam que não somos ‘coitadinhos’, mas pessoas que venceram e que têm sonhos”, ressalta Matheus.

Sobre o Instituto Superar
Através do esporte paralímpico e da educação, o Instituto Superar visa trabalhar o desenvolvimento humano da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida para permitir a conquista da independência e da autonomia social. Com 11 anos de atuação e sede no Rio de Janeiro, onde atualmente atende a 80 alunos, atletas e familiares a instituição também atua em São Paulo e Minas Gerais, somando outros 40 integrantes. As modalidades oferecidas são vôlei sentado, atletismo, natação e futebol adaptado e bocha – a participação de atletas em competições nacionais e internacionais já rendeu a conquista de diversas medalhas. O Instituto Superar tem o apoio do Ministério do Esporte, através da lei de incentivo ao esporte, e conta com o patrocínio de Sky, Repsol, Brasilcap, Instituto Lojas Renner, Icatu, White Martins, AT&T, Engie, Rip, Cielo e Catho.

Compartilhar: Facebook Twitter