Tua História

Pernas, pra que te quero

Claudia está com uma medalha no pescoço e segura um troféu. Ela sorri!

Meu nome é Claudia, meus amigos mais íntimos me chamam de Claudíssima, pois estou sempre em movimento.

Paraplégica desde os 16 anos, nunca deixei a vida passar em branco. Hoje sou assistente social, funcionária pública, casada e mãe do Frederico, meu maior orgulho e razão para seguir em frente.

Uma bola de bocha preta com detalhes em vermelho e escrito “Claudíssima” em branco.

Apesar de uma vida repleta de atividades, faltava alguma coisa para manter o corpo em sintonia, pois à medida que o tempo vai passando, as dores vão aparecendo e as limitações aumentando.

Claudia e uma mulher batendo as mãos em forma de comemoração.

Foi aí que a bocha surgiu como alternativa. Um esporte tradicional, sem grandes impactos físicos, que exige disciplina, treino e precisão, além de ser democrático, porque possibilita jogar com qualquer pessoa, de qualquer idade, como a minha mãe, que tem 80 anos.

Claudia jogando bocha.

Minha fisioterapeuta passou, então, a focar o nosso trabalho não só na manutenção, mas também no fortalecimento, em busca de mais rendimento no esporte, o que nos tem dado resultados muito satisfatórios.

O maior troféu tem sido a oportunidade de conhecer novas pessoas que pensam como eu: que a cadeira apenas nos conduz ao lugar que desejamos ir. As vitórias, as realizações, as amizades e a superação ficam por nossa conta.

Claudia ao lado de um homem, ela está recebendo um troféu que diz “quarto lugar”. Ela sorri.

Nas horas vagas, gosto de escrever, sempre a lápis. Afinal, é só aqui que a vida nos permite apagar e refazer. A vida real nos oportuniza escolher o que fazer e eu escolhi ser feliz, independentemente da condição física.

Obrigada, Mercur, pelo convite para contar minha história. Vocês fazem parte da minha vida e agora estou feliz em fazer parte da sua.

Em uma folha em branco está escrito “Superação! Bom Ano Novo! Parabéns Mercur”, ao lado tem um lápis e uma borracha Record Zero da Mercur.

Compartilhar: Facebook Twitter